Saturday, February 17, 2007

Frágil




7 comments:

Anonymous said...

Para quando um 3º (sem dúvida, exelente) albúm de A Naifa? E porque não incluir letras do maior poeta que nasceu em terras lusas: Al Berto! Ficamos à espera... A Naifa, um prazer em ouvir música portuguesa!

Anonymous said...

Persigo-te como te adubasse o cabelo
No andor de te enfrentares ao ruído
Tens a câmara de te penteares o gelo
Que voa quando mexes o escondido

Na voz do teu cós ó boa de te armares
De olhos e ósculos e cunhas de saltos
Na montanha que cresce nos altares
De só seres desejo em cavos planaltos

É no deserto que vives o brando muro
De me cederes à carne e me trazeres
Junto como um feto ao teu mais puro

Silêncio á teu aborto misericordioso
Como a dobra escusa de prazeres
Viajo no remoinho de te ser esposo.

Abssinto said...

E isto tudo a que horas??

Jorge said...

A mim só me resta esperar por mais um concerto deste magnífico grupo.
Não se esqueçam de Braga.
Abraço.

tbarroso said...

Ontem estive no concerto. Gostei, só foi pena umas aberrações que estragaram o espectáculo.

Tesouras said...

Simplesmente genial. A Naifa foi a Campo Maior, como não conhecia não fui. Maldita ignorância. Não é apenas música, é um estilo músical. A essencia do fado com um suave toque contemporâneo. Bom beat, a lírica é muito boa e a guitarra é genial. Continuem a mostrar que Portugal apenas está parado no tempo para alguns!

Tesouras said...
This comment has been removed by the author.